menu
  • Arquivo
  • Faces da mesma fachada
    08 Maio 2013
    ,
    Como Regina Silveira, Carmela Gross e Marcelo Cidade utilizaram a fachada do pavilhão como suporte

    Durante a chamada "Bienal da Antropofagia" (24ª Bienal, 1998), a artista Regina Silveira realizou a intervenção Tropel. Imensas pegadas de animais que pareciam ter escapado em debandada pelas janelas do prédio, espalhavam-se pela paisagem do Parque Ibirapuera:

    24BSP_00722.jpg
    Tropel, de Regina Silveira (1998) ©Juan Guerra

    Carmela Gross instalou a escultura luminosa Hotel para a 25ª Bienal (2002): uma crítica institucional ao caráter transitório e de sentido às edições da mostra.

    25BSP_AMPLI_00001_p01.jpg
    Hotel, de Carmela Gross (2002) ©Juan Guerra

    Na 27ª Bienal (2006), o artista Marcelo Cidade instalou a Escada parasita. Sem acesso externo ou interno e sem ligar quaisquer pisos, a obra fazia uma alusão à desfuncionalização da arquitetura.

    _MG_8109_marcelocidade_fot-ding-musa.jpg
    Escada parasita de Marcelo Cidade (2006) ©Ding Musa