menu
  • Arquivo
  • Alexandre Wollner e as primeiras Bienais
    29 Novembro 2011
    ,
    Dossiê retoma cartazes e premiações de um dos grandes nomes do design brasileiro nas Bienais de São Paulo

    Alexandre Wollner, um dos maiores nomes do design no Brasil, participou da Bienal desde o seu início. Num primeiro momento, Geraldo de Barros o convidou para auxiliá-lo com os cartazes do IV Centenário de São Paulo. Convite prontamente aceito, mesmo sem pagamento. A proposta foi trocar o trabalho por aulas de pintura com o mestre.

    Cartazes_Bienal_011.jpg
    Cartazes_Bienal_068.jpg
    Cartazes_Bienal_010.jpg

    As aulas de pintura com Geraldo de Barros resultaram no Prêmio Flávio de Carvalho que Wollner recebeu na 2ª Bienal, com a obra Movimento contra o movimento no sistema espacial:

    02BSP_wollner003.jpg

    Numa crítica sobre a pintura brasileira na 2ª Bienal, no jornal Folha da Noite de 11 de fevereiro de 1954, José Geraldo Vieira destaca: "Mas sem dúvida os chamados elementos concretistas, tendo a frente Geraldo de Barros, Wollner e Sacilloto e o Grupo Ruptura de Cordeiro, trabalhando em equipe, constituem a vanguarda de pesquisas e experimentos, sendo de fato o carimbo ortodoxo da Bienal de São Paulo, sua ala mais nova".

    02BSP_wollner005.jpg
    Wollner recebendo o prêmio das mãos de Getúlio Vargas e Ciccillo Matarazzo.

    O prêmio no valor de Cr$ 20.000,00 foi investido na sua viagem para a Alemanha, para integrar a Escola de Ulm à convite de Max Bill – eles tinham se conhecido anteriormente, durante a exposição de Bill que Wollner ajudou a montar no MASP. Antes mesmo de ir para Alemanha, Wollner fez o cartaz da 3ª Bienal, e, de lá de Ulm, ganhou o concurso do cartaz da 4ª Bienal.

    Cartazes_Bienal_009.jpg
    Cartazes_Bienal_017.jpg
    Fernanda Curi Fernanda Araujo Curi é Arquiteta e Urbanista, Mestre em Museologia. Atualmente desenvolve a pesquisa "Parque Ibirapuera - 60 anos (1954-2014) Símbolo urbano, metáfora da urbanidade" no programa de Pós Graduação da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo – FAU USP e trabalha como Pesquisadora no Arquivo Wanda Svevo da Fundação Bienal de São Paulo.