menu
  • Arquivo
  • O grande vão
    27 Junho 2012
    ,
    Seleção de imagens mostra como o grande vão do Pavilhão Bienal foi ocupado desde a 16ª edição (1981)

    Há um espaço privilegiado no Pavilhão Bienal, delimitado pela rampa do primeiro piso e os guarda-corpos dos segundo e terceiro pisos: o grande vão central, com generoso pé-direito de 15 m. Uma de suas vantagens é que, a partir dele, uma obra pode ser observada sob diferentes pontos de vista. As imagens a seguir mostram como este espaço foi ocupado ao longo das Bienais, desde 1981: palco de performances, instalações ou obras criadas por vários artistas em diálogo no mesmo espaço: 

    slide-54.jpg
    Obras do Núcleo I, na 16ª Bienal (1981) que tinha como critério a reunião de obras que tivessem relação umas com as outras, 'analogias de linguagem', e não mais a tradicional reserva de um nicho para cada representação nacional.©Agência Estado
    slide-63.jpg
    Seven chattering men e Flying figure (1983) performance de Jonathan Borofsky na 18ª Bienal (1985)
    slide-65.jpg
    Enquanto flora a borda tomba magnética de acúleos zumbidos a trilha atapetara aérea ataraxia pendular arrepio marsupial que mesmo hominídeo cabia fenosos pelos ao lóbulo rastreara assistência fractal hesita-o animal de níquel vêm o voo entomológico fêmea asculta cabeça genomas penetrarás (1982) de Tunga na 19ª Bienal (1987)
    BIENAL11.jpg
    Lightning with stags in its glare (1958-87), de Joseph Beuys na 20ª Bienal (1989) ©Agência Estado
    slide-69.jpg
    Water Mirror in Sao Paulo (1991) de Ichi Ikeda na 21ª Bienal (1991) ©Sergio Amaral/ AE
    slide-70.jpg
    Ambiente spaziale al neon (1951) de Lucio Fontana e White River (1994) de Richard Long na 22ª Bienal (1994). ©Fernando Chaves
    slide-72.jpg
    Turning the World Inside Out (1995) de Anish Kapoor e Sem título (1995) de Tomie Ohtake na 23ª Bienal (1996) ©Fernando Chaves
    24BSP_galoppido001.jpg
    Encore, Encore (1998) de Choijeonghwa na 24ª Bienal (1998). ©Gal Oppido
    25BSP001.jpg
    La Vigie (2002) de Fabrice Gygi na 25ª Bienal (2002) ©Juan Guerra
    slide-94.jpg
    Impróprio para o consumo humano (2002) de Artur Barrio e The Spectrum of Brick Lane (2002-03) de David Batchelor na 26ª Bienal (2004) ©Juan Guerra
    DSCF4525.jpg
    Les racines du mal (2006) de Didier Faustino e On air (2004-05) de Tomás Saraceno na 27ª Bienal (2006) ©Juan Guerra
    ap28bienalSP2.jpg
    Arquitetura paralaxe: Desaparecer, aparecer (2008) de Alexander Pilis na 28ª Bienal (2008)
    IMG_2061.jpg
    Bandeira branca, (2008/2010) de Nuno Ramos na 29ª Bienal (2010) ©Duas Águas