menu
  • Arquivo
  • Dossiê Walter Zanini
    06 Fevereiro 2013
    ,
    Curador das 16ª e 17ª Bienais (1981 e 1983) Zanini faleceu na madrugada de 29 de janeiro de 2013 em São Paulo

    Walter Zanini, curador da 16ª e da 17ª Bienais de São Paulo (1981 e 1983) faleceu na madrugada da terça-feira, 29 de janeiro de 2013, em São Paulo. Nascido em 1925, foi historiador da arte e lutou para a valorização da disciplina no Brasil.

    Foi diretor do Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo (MAC USP) entre 1963 e 1978. Enquanto diretor do MAC, trabalhou para a constituição do acervo e para promoção de novos artistas e da arte conceitual.

    16BSP_AMPLI_00004_p01.jpg
    Zanini é considerado o primeiro "curador" da Bienal de São Paulo, termo que a instituição passa a adotar a partir da 16ª Bienal

    Zanini é considerado o primeiro "curador" da Bienal de São Paulo, termo que a instituição passa a adotar a partir da 16ª Bienal, vista como uma edição de retomada. Na edição, o evento se fortaleceu e inovou ao ter as analogias de linguagens entre obras (e não mais as representações nacionais) como eixo. A 16ª Bienal também valorizou a participação de artistas contemporâneos, como Antonio Dias, Cildo Meireles e Tunga, entre os brasileiros.

    Além de ter sido uma figura importante para a história da Bienal, Zanini teve papel fundamental na formação de estudiosos da história da arte brasileira. Foi presidente e fundador do Comitê Brasileiro de História da Arte e organizador dos volumes referenciais da "História Geral da Arte no Brasil".

    Abaixo, registros do professor Zanini em reunião da comissão internacional para a organização da 16ª Bienal de São Paulo:

    16BSP_AMPLI_00001_p01.jpg
    Da esquerda para a direita: Walter Zanini, Helen Escobedo (México), Donald Goodall (EUA), Milan Ivelic (Chile), Bruno Mantura (Itália)
    16BSP_AMPLI_00003_p01.jpg
    Da esquerda para direita: Milan Ivelic (Chile) , Walter Zanini e Toshiaki Minemura (Japão)
    16BSP_AMPLI_00005_p01.jpg
    Walter Zanini
    Fernanda Curi Fernanda Araujo Curi é Arquiteta e Urbanista, Mestre em Museologia. Atualmente desenvolve a pesquisa "Parque Ibirapuera - 60 anos (1954-2014) Símbolo urbano, metáfora da urbanidade" no programa de Pós Graduação da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo – FAU USP e trabalha como Pesquisadora no Arquivo Wanda Svevo da Fundação Bienal de São Paulo.