Autoria: Cláudio Moschella
"O diagrama é análogo ao do cartaz da nona Bienal, alterando-se as formas geométricas e seu número - agora são doze circunferências ao invés de nove quadrados. O raciocínio, no entanto, é distinto, e a rede de significações desloca-se da arte para a política: no lugar onde deveria estar a 12ª circunferência, correspondente à 12ª Bienal, aparece um círculo vermelho, alusão velada à repressão política vigente no país". Bienal 50 Anos, 1951-2001, 2001, p.296