Autoria: Prabhakar Pachpute; Aninha de Carvalho e Felipe Kaizer
"Espirais e nós são recorrentes na identidade visual da 31ª Bienal, bem como outras formas intricadas, incluindo figuras orgânicas advindas de sociedades pré-modernas. O artista indiano Prabhakar Pachpute foi convidado para criar um desenho, cuja estrutura resulta no formato de uma torre de Babel carregada por um estranho conglomerado de corpos humanos. O aspecto fantástico da figura remete também a um coletivo inventado e à transformação mental e física, crucial para a abordagem curatorial dessa Bienal. O movimento deste organismo destaca a necessidade de nos unirmos para andar em uma mesma, ainda que incerta, direção".