menu
  • Geral
  • 31ª Bienal
08 Junho 2015
Etapa itinerante chega a São José do Rio Preto
País das Maravilhas (2013), filme de Halil Altindere em itinerância no SESC Rio Preto
País das Maravilhas (2013), filme de Halil Altindere em itinerância no SESC Rio Preto ©Halil Altindere
Exposição em São José do Rio Preto discute as barreiras sociais, acessos e códigos nas obras de nove participantes da 31ª Bienal. Até 30 de agosto no SESC Rio Preto.

O Sesc Rio Preto é a segunda das unidades do Sesc a receber, em 2015, a mostra Como (...) coisas que não existem - Obras selecionadas, uma curadoria de Charles Esche, Pablo Lafuente, Nuria Enguita Mayo, Galit Eilat, Oren Sagiv, Benjamin Seroussi e Luiza Proença. Com abertura marcada para 17 de junho, às 20h, na Área de Convivência, a exposição, que recebe o apelido de Como transpor coisas que não existem, reúne nove projetos participantes da 31ª Bienal de São Paulo.

A tarefa da arte de permitir desmontar as barreiras sociais que determinam acessos e códigos é uma das discussões propostas para esta exposição, conforme explica o curador Pablo Lafuente: "No filme de Halil Altindere, realizado em Istambul, um grupo de músicos ativistas adolescentes luta contra essas barreiras com as armas de uma cultura popular que aparece, de formas diferentes, nos filmes de Yuri Firmeza, na ilha de Alcântara, e de Ines Doujak e John Barker, nos espaços de festas populares. O hip hop, o folclore ou o funk que dão o som a esses filmes incitam a construção de um novo tipo de relações sociais, as quais convergem, no centro da exposição, com as viagens de Juan Downey pelas Américas – jornadas transformadoras que conectam o que em principio não pode ser conectado. A reescrita de territórios geográficos em Michael Kessus Gedalyovich e Romy Pocztaruk, de territórios de gênero em Nilbar Güres, e de territórios históricos em Asger Jorn completam esse leque de propostas que respondem nossa pergunta inicial: não, tais barreiras não precisam existir do modo como existem, e por isso mesmo podem – e devem – ser superadas". Ainda compõe a mostra o projeto É apenas o vértice do seu mundo interior, fanzine de distribuição gratuita concebido pela polonesa Agnieszka Piksa.


Nada é (2014) de Yuri Firmeza © Pedro Ivo Trasferetti / Fundação Bienal de São Paulo

Como uma extensão da parceria firmada entre a Fundação Bienal de São Paulo e o Sesc São Paulo, que comissionou obras da exposição e recebeu 6 encontros abertos realizados pela equipe curatorial em 2014, as itinerâncias nos Sesc Campinas e Rio Preto procuram fortalecer o relacionamento com os públicos do interior. Em 2012, em razão da 30ª Bienal de São Paulo, as quatro unidades do Sesc localizadas em Campinas, São José do Rio Preto, Araraquara e Bauru receberam 117.495 visitantes no projeto itinerante. No ano seguinte, as seleções de obras da mostra 30 × Bienal nas unidades do Sesc Piracicaba e São José do Rio Preto atraíram 46 mil visitantes.

Saiba mais sobre a 31ª Bienal de São Paulo - Obras selecionadas

31ª Bienal de São Paulo - Obras Selecionadas 
Sesc Rio Preto
17 de junho a 30 de agosto
Av. Francisco das Chagas Oliveira, 1333 - São José do Rio Preto - SP
ter-sex: 13h30-21h30; sab-dom e feriados: 10h-18h30
www.sescsp.org.br/riopreto | email@riopreto.sescsp.org.br
T: (17) 3216 9300
Entrada Gratuita

33ª Bienal de São Paulo
31 Outubro 2017
33ª Bienal de São Paulo
31 Outubro 2017
33ª Bienal de São Paulo
09 Junho 2017
32ª Bienal de São Paulo
21 Fevereiro 2017
32ª Bienal de São Paulo
02 Fevereiro 2017
32ª Bienal de São Paulo
26 Dezembro 2016