menu
  • 31ª Bienal
05 Julho 2015
Residência artística: Cartas ao Leitor, de Walid Raad
Relato explica a pesquisa do artista libanês que gerou o projeto integrante da 31ª Bienal – Obras Selecionadas, em cartaz em Belo Horizonte.

Walid Raad chegou a São Paulo na última semana de janeiro de 2014 para a residência artística que teve como resultado o projeto Cartas ao Leitor (1864, 1877, 1916, 1923). Após apresentação na 31ª Bienal, em 2014, o projeto foi um dos selecionados para a itinerância da exposição em Belo Horizonte, em cartaz até 30 de agosto.

Letters to the Reader (1864, 1877, 1916, 1923) (Cartas ao leitor) de Walid Raad. © Leo Eloy / Fundação Bienal de São Paulo.

Quando desembarcou em São Paulo, a pesquisa do artista já estava bastante avançada, feita com base em buscas na Internet e com a colaboração dos pesquisadores do Arquivo Histórico Wanda Svevo, da Fundação Bienal. Raad quis ver imagens de todas as obras de artistas árabes que participaram de bienais anteriores, assim como a correspondência trocada entre a Bienal e embaixadores, artistas, curadores e instituições árabes.

Apesar de a maioria desses documentos estarem digitalizados, Raad fez questão de passar o pente fino nos originais. Para ele, é importante ter acesso ao arquivo físico, pois quando o documento é digitalizado sempre se perde informação. Perante um original, tudo é importante: a textura do papel, o tipo de letra utilizado, as marcas do tempo.

Walid Raad é artista e professor associado na Cooper Union (Nova York, EUA). Entre seus trabalhos se encontram The Atlas Group, um projeto de quinze anos, entre 1989 e 2004, sobre a história contemporânea do Líbano, e os projetos em curso Scratching on Things I Could Disavow [Pensando em coisas que eu poderia rejeitar] e Sweet Talk: Commissions [Conversa mole: encomendas], Beirute.

No Instituto de Arte Contemporânea, em São Paulo, o artista visitou  a exposição de Amilcar de Castro e depois conversou com a diretora técnica, Marilúcia Bottalo, sobre a sua experiência no arquivo do IAC. De modo geral, Raad se interessa mais pelo que está por detrás, sob, sobre ou ao lado das obras. Não são exatamente elas que o atraem, mas tudo o que envolve a sua exposição e conservação, assim como o modo e o porquê são colecionadas e arquivadas.

Na mostra, o artista fotografou as paredes com a ficha técnica e o título. Não deixou de apreciar as obras e comentar que lhe pareciam interessantes, mas o seu entusiasmo pelo reflexo das pinturas no chão foi bem mais evidente. Comentou despreocupadamente sobre trabalhos que tinha desenvolvido nesse sentido e de como, a partir de determinado momento, as instituições de arte passaram a evitar pavimentos que brilhem ou façam reflexo.

Também fez perguntas sobre a origem do IAC. Quem começou, quem doou as obras, quem mantém a instituição e que interesses têm nisso? Qual é a linha que diferencia um documento de uma obra? É possível criar um arquivo neutro? Na reserva técnica, Raad questionou quem havia desenhado o mobiliário, assim como as caixas e as molduras. Pediu também uma folha timbrada do IAC. Aliás, ele coleciona folhas timbradas das instituições que visita.

Walid Raad acompanha a instalação de sua obra. 22/08/2014. © Pedro Ivo Trasferetti / Fundação Bienal de São Paulo

O artista ainda participou do primeiro módulo do workshop curatorial da 31ª Bienal, Ferramentas para organização cultural. Na ocasião, sob o mote Escrevendo Histórias, Raad dividiu com os participantes suas experiências anteriores e linhas gerais sobre o projeto que apresentaria na Bienal. 

Relato redigido por Célia Barros, palestrante do programa educativo da Fundação Bienal

33ª Bienal de São Paulo
31 Outubro 2017
33ª Bienal de São Paulo
31 Outubro 2017
33ª Bienal de São Paulo
09 Junho 2017
32ª Bienal de São Paulo
21 Fevereiro 2017
32ª Bienal de São Paulo
02 Fevereiro 2017
32ª Bienal de São Paulo
26 Dezembro 2016