menu
  • Geral
  • 31ª Bienal
28 Setembro 2015
31ª Bienal tem itinerância internacional
Mujawara, 2014, de Sandi Hilal, Alessandro Petti e Contrafilé, ao fundo Mapa, 2014, de Qiu Zhije, em Serralves
Mujawara, 2014, de Sandi Hilal, Alessandro Petti e Contrafilé, ao fundo Mapa, 2014, de Qiu Zhije, em Serralves ©Filipe Braga / Fundação de Serralves
Apresentada pela primeira vez fora de seu país de origem, a 31ª Bienal chega ao Museu de Arte Contemporânea de Serralves, em Portugal, de 1 de outubro de 2015 a 17 de janeiro de 2016.

Apresentada pela primeira vez fora de seu país de origem, a 31ª Bienal apresenta 28 artistas e coletivos de artistas que participaram da mostra no Museu de Arte Contemporânea de Serralves, em Portugal, de 1 de outubro de 2015 a 17 de janeiro de 2016. A investigação que a 31ª Bienal faz do potencial revelador da arte foi reconfigurada de acordo com o contexto físico, social e cultural da cidade do Porto, onde ocorre a itinerância. As obras de arte selecionadas, desde pinturas e esculturas até vídeos e instalações, fornecem um panorama do modo como a religião, a história e outros sistemas de controle afetam a vida cotidiana e engendram diferentes maneiras de pensar e imaginar o mundo.

Cartas ao leitor (1864, 1877, 1916, 1923) de Walid Raad.© Filipe Braga / Fundação de Serralves, Porto.


Entre várias obras notáveis contam-se os vigorosos retratos de parede de Éder Oliveira (Brasil); o vídeo Ymá Nhandehetama de Armando Queiroz (Brasil), que fala da presença invisível dos indígenas no Amazonas; os desenhos às margens do rio de Anna Boghiguian (Egito) e a instalação cinematográfica de Virgínia de Medeiros (Brasil) que aborda questões relacionadas com gênero, rituais religiosos e espiritualidade. O móbile transparente de Voluspa Jarpa (Chile) e o vídeo de Clara Ianni e Débora Maria da Silva (Brasil) reúnem os fantasmas do passado colonial e os legados da ditadura, tal como a intensidade da vida urbana contemporânea. A exposição adquire um caráter mais ficcional e metafórico com as instalações de Walid Raad (Líbano), Edward Krasi
ński (Polônia), as pinturas de Wilhelm Sasnal (Polônia) e o filme de Yael Bartana (Israel) que imagina a destruição do Templo de Salomão, em São Paulo. Destaca-se também a reapresentação de dois projetos conjuntos criados para a ocasião da 31ª Bienal: a instalação Errar de Deus, de Etcétera... + León Ferrari (Argentina); e Mujawara, assinado pelo Grupo Contrafilé (Brasil), Sandi Hilal (Palestina) e Alessandro Petti (Itália). Ainda compõem a mostra os projetos dos artistas Agnieszka Piksa (Polônia), Ana Lira (Brasil), Bruno Pacheco (Portugal), Chto Delat (Rússia), Danica Dakić (Bósnia e Herzegovina), Gabriel Mascaro (Brasil), Graziela Kunsch e Lilian L’Abbate Kelian (Brasil), Johanna Calle (Colômbia), Juan Carlos Romero (Argentina), Juan Pérez Agirregoikoa (Espanha), Mark Lewis (Canadá), Nilbar Güreş (Turquia), Qiu Zhijie (China) e Tony Chakar (Líbano).

 A seleção curatorial para Serralves foi realizada pelos curadores Charles Esche, Galit Eilat e Oren Sagiv. Além das obras da 31ª Bienal, a apresentação em Serralves integra um programa de discussões que terão lugar no espaço da galeria e trabalhos de Cildo Meireles pertencentes à Coleção Serralves.

Em primeiro plano, Histórias de Aprendizagem, de Voluspa Jarpa, ao fundo Violencia, de Juan Carlos Romero em Serralves. ©Filipe Braga / Fundação de Serralves, Porto.


Programa público

A itinerância da 31ª Bienal em Serralves será complementada por um programa público desenvolvido pelos curadores da Bienal em conjunto com o Serviço Educativo do Museu de Serralves. O programa decorrerá em três momentos fundamentais e baseia-se na investigação realizada pelos curadores Charles Esche, Galit Eilat e Oren Sagiv no Porto e em Lisboa, onde se reuniram com jovens artistas, ativistas e investigadores e visitaram espaços expositivos independentes, universidades e cooperativas de arte.

O primeiro momento, no dia da inauguração, promoverá o encontro entre artistas, críticos e curadores a propósito do projeto artístico Bienal de São Paulo. Ao longo do fim de semana que segue a inauguração, haverá uma mesa-redonda com o tema “Uma Escola debaixo da Árvore – Educação, entre Imaginação e Ativismo”, em que educadores, artistas e ativistas analisarão o potencial social e comunitário dos processos educativos.

Em novembro, o Museu receberá o simpósio “Colonialismo Inverso” que irá debruçar-se sobre as relações entre Portugal e as suas ex-colônias e a interpretação artística contemporânea do modo de abordar as histórias coloniais, ao nível tanto da produção artística como do desenvolvimento institucional.

Em dezembro, o simpósio “Direito à Cidade Criminalização dos Pobres” analisará a possibilidade do exercício da cidadania numa situação de pobreza persistente.

O programa regular de visitas guiadas e workshops do Museu de Arte Contemporânea de Serralves prosseguirá paralelamente a esses momentos-chave ao longo do período em que decorrer a exposição, proporcionando uma ativação constante do acontecimento enquanto espaço de encontro e discussão.

31ª Bienal de São Paulo - Obras Selecionadas
2 de outubro 2015 a 17 de janeiro 2016
Museu de Arte Contemporânea de Serralves - Porto/Portugal

Rua D. João de Castro, 210 - 4150-417, Porto, Portugal
ter-sex: 10h-17h; sáb-dom: 10h-19h
www.serralves.pt
T: +351 226156500

 

33ª Bienal de São Paulo
31 Outubro 2017
33ª Bienal de São Paulo
31 Outubro 2017
33ª Bienal de São Paulo
09 Junho 2017
32ª Bienal de São Paulo
21 Fevereiro 2017
32ª Bienal de São Paulo
02 Fevereiro 2017
32ª Bienal de São Paulo
26 Dezembro 2016
32ª Bienal de São Paulo
20 Dezembro 2016
32ª Bienal de São Paulo
12 Dezembro 2016