menu
este é o mais recente quer ler mais?
  • Geral
  • 33ª Bienal
31 Outubro 2017
Conheça a equipe curatorial da 33ª edição

GABRIEL PÉREZ-BARREIRO
(La Coruña, Espanha, 1970. Vive entre São Paulo e Nova York, EUA)

É doutor em História e Teoria de Arte pela Universidade de Essex (Reino Unido) e mestre em História da Arte e Estudos Latino-Americanos pela Universidade de Aberdeen (Reino Unido). Em seus mais de 20 anos de atuação, foi curador de Arte Latino-Americana no Blanton Museum of Art, na Universidade do Texas (2002-2008), curador-chefe da 6ª Bienal do Mercosul, em Porto Alegre (2007) e diretor de Artes Visuais na The Americas Society, em Nova York (2000-2002). Trabalhou ainda como coordenador de Exposições e Programas na Casa de América, em Madri (1998-2000) e como curador fundador da Coleção de Arte Latino-Americana da Universidade de Essex (1993-1998). Foi conselheiro da Fundação Iberê Camargo e curou, no Brasil e no exterior, exposições de artistas como Lygia Pape, Geraldo de Barros, Rivane Neuenschwander, Waltercio Caldas e Willys de Castro. É diretor e curador-chefe da Coleção Patricia Phelps de Cisneros, com sedes em Nova York e Caracas.

 

ALEJANDRO CESARCO
(Montevidéu, Uruguai, 1975. Vive em Nova York, EUA)

Alejandro Cesarco utiliza diferentes formatos e estratégias para abordar seu constante interesse por repetição, narrativa e pelas práticas de leitura e tradução. Exposições individuais recentes incluem: Song, The Renaissance Society, Chicago (2017); Prescribe the Symptom, Midway Contemporary Art, Mineápolis (2015); Loyalties and Betrayals, Murray Guy, Nova York (2015); Secondary Revision, Frac Île-de-France/Le Plateau, Paris (2013); Alejandro Cesarco, MuMOK, Viena (2012); The Early Years, Tanya Leighton, Berlim (2012); A Common Ground, Pavilhão Uruguaio, 54ª Bienal de Veneza (2011); e Present Memory, Tate Modern, Londres (2010). Exposições coletivas incluem: Question the Wall Itself, Walker Art Center, Mineápolis (2016); Under the Same Sun, Guggenheim Museum, Nova York (2014); e 30a Bienal de São Paulo – A iminência das poéticas (2012). Cesarco é diretor da organização sem fins lucrativos Art Resources Transfer.

ANTONIO BALLESTER MORENO  
(Madri, Espanha,1977. Vive em Madri)

Antonio Ballester Moreno graduou-se em artes pela Universidad Complutense Madrid. Ele também desenvolveu estudos na Universität der Künste Berlin com o professor Lothar Baumgarten de 2000 a 2002. Ballester Moreno realizou exposições individuais em La Casa Encendida, Madri (2017), MUSAC, León (2008) e em galerias de arte como Christopher Grimes, Santa Monica (2016), Galeria Pedro Cera, Lisboa (2016, 2014), Maisterravalbuena, Madri (2015, 2013, 2009) e Peres Projects Berlim e Los Angeles. Também participou de diversas exposições coletivas: Colección III e IV e Antes que todo (2010), na CA2M Madrid, Una pausa para reflexionar (2014) e Existencias, no Museo de Arte Contemporáneo de Castilla y León – MUSAC (2007), entre muitas outras. Recebeu vários apoios de instituições como MUSAC – Bolsa de Criação Artística (2006) e Fundación Arte y Derecho (2005). Seu trabalho se encontra nos acervos do MUSAC e do Centro de Arte 2 de Mayo, Madri. De 2003 a 2009, coordenou o espaço de arte sem fins lucrativos Liquidación Total.

CLAUDIA FONTES
(Buenos Aires, Argentina, 1964. Vive em Brighton, Inglaterra)

Claudia Fontes é uma artista visual que, por meio de suas ações, explora objetos e pesquisas, o espaço poético e modos alternativos de percepção da cultura, natureza, história e sociedade que são gerados nos processos de descolonização, sejam eles pessoais, interpessoais ou sociais. Ela estudou arte na Escuela Nacional de Bellas Artes Prilidiano Pueyrredón em Buenos Aires e história da arte na Universidade de Buenos Aires. Fontes tem participado de exposições desde 1992, com mostras individuais em espaços como: Instituto de Cooperación Iberoamericana – I.C.I., Museu de Arte Moderna de Buenos Aires – MAMbA, Galería Luisa Pedrouzo, Ignacio Liprandi Arte Contemporáneo e The Wordly House, na Documenta 13, Kassel (2012). Seu trabalho foi exposto recentemente no Pavilhão da Argentina na Bienal de Veneza de 2017 e está presente nas coleções do Museu de Arte Latinoamericana de Buenos Aires – MALBA, MAMbA, e Museu de Arte Contemporânea de Rosario – MACRO, bem como em coleções particulares na Argentina e na Europa.

MAMMA ANDERSSON
(Luleå, Suécia, 1964. Vive em Estocolmo, Suécia)

Andersson é uma das artistas suecas mais reconhecidas no âmbito internacional. Inspirada em imagens de filmes, cenografias de teatro e interiores de época, as composições de Mamma Andersson são com frequência oníricas e expressivas. Suas referências estilísticas incluem a pintura figurativa nórdica da virada do século 19 para o século 20, a arte popular e o vernacular contemporâneo; porém o uso sugestivo do espaço pictórico e as justaposições de camadas grossas de tinta e lavadas texturizadas constituem características únicas do seu trabalho. Sua temática se desenvolve em torno de paisagens evocativas, melancólicas e interiores privados corriqueiros. Seu trabalho está representado em coleções como as do MoMa, Nova York; Dallas Museum of Modern Art; Museum of Contemporary Art – MOCA, Los Angeles; Hammar Museum, Los Angeles; Nasjonalmuseet, Oslo; Moderna Museet, Estocolmo. Em 2006 ela recebeu o primeiro prêmio no Carnegie Art Award e em 2003 representou a Suécia na Bienal de Veneza. Ela se graduou no Royal Institute of Arts, Estocolmo, em 1993.

SOFIA BORGES
(Ribeirão Preto, Brasil, 1984. Vive em São Paulo, Brasil)

Sofia Borges é artista visual formada em 2008 pela Universidade de São Paulo. Entre 2009 e 2011, realizou sete mostras individuais no Brasil, foi selecionada pelo Rumos Itaú Cultural, recebeu o Prêmio Destaque da Bolsa Iberê Camargo, ganhou o Prêmio Porto Seguro de Fotografia e seu trabalho integrou o  Clube da Fotografia 2011 no Museu de Arte Moderna de São Paulo. Em 2012, participou da 30ª Bienal de São Paulo – A iminência das poéticas. Em 2013, a artista foi indicada ao Premio BES de Fotografia (Portugal), ao Foam Paul Huf Award e recebeu o prêmio de Fotografia do Centro Cultural São Paulo. Neste mesmo ano, realizou individuais na Cidade do México, Madri, Paris, Lisboa e São Paulo. Em 2014, apresentou trabalhos em Londres, Los Angeles, Lyon, São Paulo, Doha e Beijing. Em 2015 realizou uma individual em Paris, participou de exposições coletivas no Brasil, França e Canadá e desenvolveu o No Sound, o seu primeiro projeto colaborativo/experimental como curadora. Em 2016, venceu o prêmio inglês The First Book Award com o projeto The Swamp.

WALTERCIO CALDAS
(Rio de Janeiro, Brasil, 1946. Vive no Rio de Janeiro, Brasil)

Waltercio Caldas realizou sua primeira exposição individual em 1973 no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro. Desde então tem participado de inúmeras exposições no Brasil e no exterior. Em 1998 recebeu o prêmio Johnnie Walker de artes plásticas e, em 2002, o prêmio Mario Pedrosa da Associação Brasileira de Críticos de Arte, ambos pelo conjunto de sua obra. Representou o Brasil nas Bienais de São Paulo de 1983, 1987 e 1996; na Documenta IX, em 1992; e nas Bienais de Veneza em 1997 e 2007. Em 2013 uma retrospectiva de suas obras percorreu três museus: a Fundação Iberê Camargo, a Pinacoteca de São Paulo e  o Blanton Museum of Art  no Texas, EUA. Sobre a obra de Waltercio Caldas foram publicados Aparelhos (1978, GBM Editora); Manual da ciência popular (1982, Edições Funarte e 2008, Cosac Naify), Waltercio Caldas (2000, Cosac Naify), entre outros. O livro Os desenhos / The Drawings com seus desenhos e texto de Lorenzo Mammi foi lançado pela Editora BEI em 2017.

WURA-NATASHA OGUNJI
(St. Louis, EUA, 1970. Vive em Lagos, Nigéria)

Wura-Natasha Ogunji é artista visual e performática. Suas obras incluem desenhos, vídeos e performances públicas. Seus desenhos costurados a mão, feitos sobre papel vegetal, inspiram-se nas interações e ocorrências cotidianas – das épicas às mais íntimas – na cidade de Lagos. As performances de Ogunji exploram a presença da mulher no espaço público e, em geral, incluem investigações sobre trabalho, lazer, liberdade e frivolidade. Uma seleção de seus desenhos em grande escala foi recentemente exposta na Kochi-Muziris Biennale, em Kerala, Índia. Também realizou exposições na 1:54, em Londres; no Seattle Art Museum; no Brooklyn Art Museum; e no Louisiana Museum of Modern Art. Ogunji recebeu a prestigiada Guggenheim Foundation Fellowship, além de apoios das instituições The Pollock-Krasner Foundation, The Dallas Museum of Art, e Idea Fund. Ela concluiu o bacharelado (BA) em Antropologia na Stanford University em 1992 e o mestrado (MFA) em Fotografia na San Jose State University em 1998.

este é o mais recente quer ler mais?
33ª Bienal de São Paulo
31 Outubro 2017
33ª Bienal de São Paulo
31 Outubro 2017
33ª Bienal de São Paulo
09 Junho 2017
32ª Bienal de São Paulo
21 Fevereiro 2017
32ª Bienal de São Paulo
02 Fevereiro 2017
32ª Bienal de São Paulo
26 Dezembro 2016
32ª Bienal de São Paulo
20 Dezembro 2016
32ª Bienal de São Paulo
12 Dezembro 2016
32ª Bienal de São Paulo
28 Outubro 2016