menu
busca
07 Abr 2022
Programa de itinerâncias da 34ª Bienal
Vista de escultura da série Corte seco (2021), de Paulo Nazareth, na 34ª Bienal de São Paulo. Obra comissionada pela Fundação Bienal de São Paulo para a 34ª Bienal. © Levi Fanan / Fundação Bienal de São Paulo
Vista de escultura da série Corte seco (2021), de Paulo Nazareth, na 34ª Bienal de São Paulo. Obra comissionada pela Fundação Bienal de São Paulo para a 34ª Bienal. © Levi Fanan / Fundação Bienal de São Paulo
Primeira cidade a receber a itinerância foi São Luís (MA), com exposições no Centro Cultural Vale Maranhão e na Casa do Maranhão

Começou em abril o Programa de mostras itinerantes da 34ª Bienal de São Paulo – Faz escuro mas eu canto. Este ano, a primeira cidade a receber a itinerância foi São Luís (MA), com exposições no Centro Cultural Vale Maranhão e na Casa do MaranhãoPara 2022, as mostras itinerantes foram pensadas a partir de enunciados: objetos ou elementos imateriais utilizados pela curadoria para reunir obras e artistas, criando eixos temáticos sem reduzir, no entanto, as interpretações a uma leitura única.

O recorte da mostra exibido na cidade é organizado a partir do enunciado Retratos de Frederick Douglass e os artistas cujas obras participam desta itinerância são: Alice Shintani, Arjan Martins, Daniel de Paula, Deana Lawson, Frida Orupabo, Neo Muyanga, Noa Eshkol, e Tony Cokes (na Casa do Maranhão) e Beatriz Santiago-Muñoz, Daiara Tukano, Frida Orupabo, Gustavo Caboco, Jaider Esbell, Paulo Kapela, Paulo Nazareth, Uýra e Victor Anicet (no Centro Cultural Vale Maranhão). A exposição fica aberta até 12 de junho. Saiba mais! 

As cidades de Campinas e São José do Rio Preto, no interior de São Paulo, também estão com exposições das itinerâncias em cartaz. Quem conferir a mostra no Sesc Campinas vai encontrar obras dos artistas Abel RodríguezAdrián BalsecaAlice ShintaniE.B. ItsoFrida OrupaboGala Porras-KimGustavo Caboco, Hanni KamalyJaider EsbellSebastian CalfuqueoSung Tieu e Victor Anicet, que se relacionam com o enunciado Cantos Tikmũ’ũn.

O Sesc Rio Preto, por sua vez, recebe obras associadas a dois enunciados diferentes: A imagem gravada de Coatlicue e Hiroshima mon amour de Alain Resnais, com trabalhos de Claude CahunDaiara TukanoGala Porras-KimHaris Epaminonda, Jungjin LeeMariana Caló e Francisco QueimadelaMarinella SenatoreMelvin MotiUýra e Victor Anicet.

Além de São Luís, Campinas e Rio Preto, mais seis cidades brasileiras e uma no exterior receberão recortes da 34ª Bienal este ano. São elas: Belo Horizonte (MG), Brasília (DF), Campos do Jordão (SP), Belém (PA), Fortaleza (CE), Juiz de Fora (MG) e Santiago (Chile). 

Serviço
34ª Bienal de São Paulo - Faz escuro mas eu canto
Programa de mostras itinerantes

Centro Cultural Vale Maranhão
São Luís (MA)
12 abril  – 12 junho 2022
Av. Henrique Leal, 149
de terça à sábado das 10h às 19h
entrada gratuita

Casa do Maranhão
São Luís (MA)
12 abril – 12 junho 2022
R. do Trapiche s/n – Centro Histórico
de terça à sábado das 9h às 18h
domingo das 9h às 13h30
entrada gratuita

Sesc Campinas
Campinas (SP)
R. Dom José I, 270/333 – Bonfim, Campinas
27 abril – 31 julho
terça a sexta-feira: 9h – 21h
sábados, domingos e feriados: 10h – 18h
entrada gratuita

Sesc Rio Preto
São José do Rio Preto (SP)
Av. Francisco das Chagas Oliveira, 1333 – Chácara Municipal, São José do Rio Preto
4 de maio – 31 de julho
terça a sexta-feira: 13h – 21h30
sábados, domingos e feriados: 10h – 18h30
entrada gratuita